Acumulando tesouros no céu

Acumulando tesouros no céu 

Em Mateus 6:19-20 o Senhor diz: “Não acumuleis para vós outros tesouros sobre a terra, onde a traça e a ferrugem corroem e onde os ladrões escavam e roubam; mas ajuntai para vós outros tesouros no céu…”. Olha só que ensino surpreendente esse! O Senhor esta dizendo que eu ou você podemos passar nossa vida trabalhando para conseguir uma das duas coisas: Um tesouro que vale muito, ou, um tesouro que não vale nada!

Entretanto eu me pergunto: Como é que alguém poderia entre duas escolhas ficar com a pior? O que levaria um homem ou uma mulher sadios da mente fazer a pior escolha e dedicar sua vida inteira para consegui-la? Gastar o melhor dos seus dias em busca do pior para a sua existência? Francamente – a não ser que a pessoa tenha algum problema mental – isso parece uma coisa impossível de acontecer, pois qualquer pessoa quer o melhor para si. Mas então, qual é a razão desse ensino do Senhor? Acho que o Senhor está nos advertindo contra um poderoso inimigo: o engano. 

O que acontece se uma pessoa pensar que escolheu o melhor enquanto na verdade escolheu o pior? Pense em quantas pessoas já compraram um apartamento – na planta – e concluíram que estavam fazendo o negócio da sua vida. Trabalharam duramente para pagar as prestações. Economizaram. Sonharam. Pense na decepção e amargura delas quando lá na frente descobrem que tudo é uma farsa. A construtora é uma arapuca. O apartamento nunca existiu. Tanto trabalho. Tanto esforço… por uma farsa! Vidas verdadeiramente empenhadas por uma mentira. Pensando que trabalhavam por uma coisa boa, trabalhavam duro por um grande mal. Que poder incrível tem esse tal de engano!!! Usar o melhor de nós para tirar o melhor para ele! 

Talvez essa seja a armadilha contra a qual o Senhor quer nos advertir aqui nesse ensino. Será que sinceridade, esforço e dedicação formam um trio imbatível que nos garanta a salvação? E se, por falta de conhecimento, formos enganados? E se, enquanto acreditamos que estamos trabalhando para nossa salvação, estamos – na verdade – trabalhando para nossa perdição eterna?! Terrível!!! Sinceros, mas enganados! Fervorosos, mas enganados! Dedicados, mas enganados! 

Como ter certeza? Qual a fonte segura? A igreja que frequento? Pregadores que ouço? Artigos como esse? Jesus dá a resposta: “Jesus, porém, lhes respondeu: Errais, não conhecendo as Escrituras …” (Mateus 22:29). Essa é a resposta. O conhecimento das Escrituras pode nos livrar dos enganos. É por acreditar nos sentimentos e não na verdade que somos enganados. Jacó trabalhou sete anos para ter Raquel como esposa, mas sem saber trabalhava esforçadamente a cada dia para se casar com Lia. Pensando que trabalhava para ter Raquel, sem saber trabalhava para ter Lia. 

Quantas pessoas fervorosas podem estar nessa situação hoje? Pensando que trabalham para a salvação (tesouros no céu), sem saber trabalham para a perdição (tesouros na terra). Dedicadas. Empenhadas. Amorosas. Evangelizadores. Tantas coisas, que não dá para acreditar que não terão o seu lugar na eternidade ao lado do Senhor. Mas, e se o maldito engano as tiver sob seu controle? E se elas estiverem na mesma situação do pobre Jacó: trabalhando por Lia enquanto pensava que era por Raquel? 

Em Mateus 7:21, Jesus diz muito sobre esse tipo de engano: “Nem todo que me diz Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus; mas aquele que faz a vontade do meu Pai que esta nos céus”. Olha só? Não é a mesma situação? Aquelas pessoas fizeram muita coisa em nome do Senhor – é só continuar lendo Mateus que a gente vê. Mas desgraçadamente foi tudo um grande engano. Apanhadas em uma poderosa armadilha ficaram cegas. E, cegas, rumaram para longe do Senhor enquanto pensavam que estavam indo ao seu encontro. 

Qual é o verdadeiro tesouro então? Como achar um caminho certo e seguro para ele? Paulo responde: “A mim, o menor de todos os santos, me foi dada esta graça de pregar aos gentios o evangelho das insondáveis riquezas de Cristo” (Efésios 3:8). Eis aí o mapa do verdadeiro tesouro: o evangelho da salvação. Confie sua vida a ele e seja rico em bençãos celestiais! “Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o qual nos abençoou com todas as bênçãos espirituais nos lugares celestiais em Cristo”(Efésios 1:3).

Deus os abençoe sempre,

Pr. MárioPassos.

OS DOIS REINOS

os-dosi-reinos

REINO: Lugar ou campo em que alguém
ou alguma coisa é senhor absoluto:
Reino é aquele território cujos habitantes
estão sujeitos a um rei.
Todo reino tem suas regras, suas normas,
suas exigências, seus padrões. E todo
cidadão deste reino tem que se sujeitar a
tais determinações.

REINO DA LUZ: Para ser um cidadão deste
Reino são necessários e indispensáveis
estes requisitos:
*Obediência às Sagradas Escrituras,
*Fidelidade, *Humildade, *Amor ao próximo,
*Gratidão, *Justiça.
O Reino da Luz, que podemos chamar também
de Reino de Deus, é organizado, tem disciplina
e não aceita desordem, bagunça ou qualquer
tipo de injustiça.
Todo aquele que deseja se tornar cidadão deste
Reino precisa se ajustar aos padrões do Rei.
Veja o caso de Adão e Eva, estavam no Reino
de Deus, mas não obedeceram suas ordens,
logo foram expulsos do mesmo. ‘‘O SENHOR
Deus, por isso, o lançou fora do jardim do Éden,
(Gn 3.23)
Você só pode ser cidadão de um determinado
reino se estiver disposto a se sujeitar ao rei deste
reino.
Neste Reino a Justiça prevalece: ‘‘Quem dá
recebe’’, ‘‘Quem planta, colhe.’’
Quando nos tornamos cidadãos do Reino da Luz
podemos desfrutar da vida que o Rei veio para
nos dar. ‘‘Eu vim para que tenham vida, e a
tenham em abundância.’’ (João 10:10)

 

REINO DAS TREVAS: Para ser um cidadão
deste reino basta aceitar a mentira, a
hipocrisia, a vaidade, o orgulho, a avareza,
a prostituição, o adultério como coisas
normais.
Se no outro Reino, o da Luz, a Justiça é a
base de todas as coisas, neste reino os seus
habitantes procuram resolver tudo do seu
jeito. Quando desejam algo pouco importa
o que tenham que fazer para que este
desejo seja saciado.
Visam sempre seus próprios interesses, se
necessário, mentem, distorcem, inventam,
julgam, fazem qualquer negócio para
satisfazerem seus caprichos.
Lembrem-se sempre de que os habitantes
de um determinado reino são influenciados
pelo seu rei.
E no reino das trevas o rei é satanás, é ele
quem dita as regras, ele é quem escraviza
com a dor.
O sofrimento, a ilusão, a angustia, o
desprezo, a solidão fazem parte do seu
reinado. Como dizem as Sagradas Escrituras:
‘‘O ladrão vem somente para roubar, matar e
destruir.’’ (João 10.10)
Viver no reino das trevas é desprezar tudo o
que fez por nós o Rei dos reis, o Sr. Jesus.
E você em qual dos dois reinos habita?
É cidadão de que reino?
Saiba que a única pessoa que pode levar
você de um reino para outro é você mesmo.

Deus os abençoe sempre, Pr. Mário Passos

Fé sem Graça.

“Eu vivo pela graça de Deus e não pelas obras da Lei; Jesus já sacrificou por mim; então não tenho de sacrificar.”

Esses e outros tantos argumentos têm sido sobejamente usados pela maioria dos crentes.

Mas eu pergunto: se a fé não precisa ser acompanhada de sacrifício, por acaso a graça de Deus que dispensa o sacrifício lhes dá o direito de se viver na carne? De se manter pecados escondidos por anos a fio?

A realidade é que aqueles que pregam a “Graça” não têm a menor ideia do que ela, de fato, significa. Enganosamente, ensinam que a graça é como um cartão pré-pago ilimitado que Jesus já pagou por nós. Então, podemos aceitá-lO e gastar os créditos daquele cartão por tempo indefinido. Se a pessoa pecar, é só pedir perdão, pois tem créditos infinitos com Deus. Se amanhã cair no mesmo pecado, é só usar os créditos novamente. Sem necessidade de arrependimento, sem necessidade de mudança de direção. Pode-se contar apenas com suas boas intenções, seu remorso e um pacote de desculpas: “a carne é fraca”, “não consigo resistir”, “é mais forte do que eu”…

Por causa desse engano, muita gente que acredita ter lugar garantido no Céu tem ido para o inferno. Assim como a verdadeira fé não tem nada a ver com religião, a verdadeira graça não tem nada a ver com ausência de sacrifício. Pelo contrário, a graça dá ao ser humano uma responsabilidade que ele não tinha antes. Se antes ele estava preso ao pecado, agora não tem mais essa desculpa. Já recebeu a liberdade e o direito à Salvação.

Agora, o homem é responsável por se manter no Caminho da Salvação e, para isso, as regras da graça são bem claras: quem quiser vir a Jesus, tem de negar a si mesmo, tomar a sua cruz e segui-lO. Três níveis de sacrifício. O Senhor Jesus nos apresenta a Sua graça, isto é, Seu favor, o presente que não merecemos, como algo tão precioso que um homem venderia tudo o que tem para comprá-lo. Vale o sacrifício da obediência, vale o sacrifício de negar a si mesmo, vale o sacrifício de perdoar a quem nos ofende, vale o sacrifício de deixar a velha vida, vale o sacrifício de se desconectar de certas pessoas, coisas e convicções. Vale todo o sacrifício que a verdadeira graça exige.

Deus os abençoe sempre.

Pastor MárioPassos

7 MOTIVOS PARA SER UM GANHADOR DE ALMAS

Estudo grupos P3